Páginas

24 de novembro de 2010

Universitário

Um dia desses estava eu indo à parada de ônibus me dirigindo à universidade. No meio do caminho eu não encontrei uma pedra como Drummond o fez, mas me deparo com uma amiga minha que estudou comigo o Ensino Médio. Ela estava vindo do trampo dela e tal. Aí pensei: qual a minha diferença em relação a ela? Aí pensei, pensei, pensei. Veio-me uma coisa na cabeça: eu sou universitário e ala não; eu passei numa merda de vestibular e ela não. Isso pode ser considerado uma diferença? Talvez sim, quiçá não. No entanto eu penso que fato de eu ser universitário não me faz uma pessoa melhor do que ninguém e nem melhor do que essa minha amiga. Tem uns pau no cu por aí que se acham a bala que matou John Lennon só porque estão numa merda de universidade, seja ela publica ou particular. A maioria desses otários fazem Direito ou Medicina ou algum curso de bacharelado em alguma merda. Esses cursos que dão status quo. Na maioria das vezes, grande maioria mesmo, são otário que nem mesmo gostam do curso, mas estão neles só porque são patricinhas e playboys que querem se diferenciar dos demais. E que diferença é essa? Universitário de cu é rola!

Qual a vantagem de se está numa universidade? Eu não vejo vantagem nenhuma. O que tu poderia aprender dentro de uma universidade/faculdade tu também poderia aprender fora dela. O fato de uma pessoa está numa universidade não faz uma pessoa mais sabia, inteligente, ou mais intelectual do que outra. Eu mesmo conheço alunos secundaristas, autodidatas, analfabetos e vagabundos iluminados, usando uma frase de Jack Kerouac, que são mais inteligentes do que dementes e alienados que estão socados dentro de uma universidade. Tenho um exemplo de um vagabundo iluminado: conheci um cara chamado André através de outro amigo e tal. Conheci-o pessoalmente e depois pelo twitter; o cara é muito inteligente, meu; muito mais inteligente do que eu anos luzes. Ele não está numa universidade e eu estou. E aí? E agora, José? O cara não precisou passar por um estado burocrático chamado universidade para ser inteligente. Só bastou ler. Ler. Ler. Ler. Conheço também uma menina de 14 anos que é aluna secundarista; a guria conhece mais de filosofia sofistica do que eu e tem um conhecimento do caralho sobre religião que eu gostaria de ter. Ela é secundarista e eu universitário. Sou melhor do que ela? Sou nada, sou mais ela.

Por isso universitário, vocês são uns merdas. Vocês não são melhores do que ninguém. O que tu aprende socado dentro duma universidade uma pessoa fora dela aprende também, e às vezes melhor do que tu. Mais uma vez: universitário de cu é rola. Uma contradição: a única diferença da pessoa que está na universidade/faculdade é que ela vai receber um pedaço de papel chamado diploma, que quando a pessoa receber se pergunta: e agora? O que eu faço com isso. Mais uma vez: o conhecimento que se aprende dentro da universidade se aprende fora dela também. E isso não serve como diferença.

Novembro / 2010

2 comentários:

  1. Se a galera tá pensando que diploma enche barriga...tá muito enganada. ter um diploma é o básico para se brigar por emprego no futuro, e olhe lá. E outra, como o iluminado Fonseca ressaltou, para ser intelectual não precisa ser universitário, até porque se for ver como está a forma de avaliação desses vestibulares Brasil afora...O conhcimento tem uma consistência que pode sim, ir além de uma instituição.

    ResponderExcluir
  2. Ler, ler, ler... eis o caminho. Somos universitários de merda.

    ResponderExcluir