Páginas

15 de novembro de 2011

O nosso sexo de cada dia

Depois de muito tempo voltei a escrever sobre sexo. Ô coisa boa, né? Sexo é bom em tudo, até para escrever sobre ele. Depois da escrita do “poema infame” criei tesão para fazer esse texto. Texto esse prometido há tempos as minhas amigas que muito me ajudaram na elaboração dele.

Muitas das minhas queridas e amadas amigas e conhecidas se deparam comigo, no MSN ou no Facebook, aplicando questionários as mesmas sobre sexo e etc.. Pretenderei aqui desenvolver alguns resultados diante das respostas que me foram ditas.

Primeiramente minha intenção era escrever algo do tipo “o que pensam e desejem as mulheres” levando em consideração o sexo como principal pauta. Farei isso, todavia tentarei abranger o gênero masculino, porque eu sou homem, né?!

Os questionários que apliquei as minhas amigas vai de A a Z no que diz respeito a vida sexual de cada uma. É muito emocionante aplicar esses questionários a essas mulheres, pois além de nós colocarmos a imaginação para funcionar (imaginando as respostas que elas davam), conhecíamos as meninas que outrora imaginávamos conhecer. Como também matar nossa curiosidade (mal de historiador!).

Perdendo a virgindade... muitas não responderam essa pergunta, pois esse foi um dos primeiros questionários que apliquei e tudo mais. Achei desnecessário, porque na grande maioria das respostas as meninas diziam que isso era algo bem pessoal e sentimental (e estão certas!), todavia não devemos fazer uma generalização a esse respeito. Sei que a virgindade, para algumas meninas, é uma coisa muito importante, entretanto para outras é mais uma fase da sua vida. Da mesma maneira que para alguns tinha uma importância sentimental (as que perderam com seu namorado ou com a pessoa que amava por demais), existem também aquelas meninas que estavam com vontade na hora e perderam com aquele cara que havia conhecido naquela noite ou algum ficante de poucos dias. Por isso digo que as respostas vão de A a Z e podem variar muito.

Sexo oral... uma coisa que as meninas, no início, relutava muito para falar ou comentar sobre. Mas como o passar do tempo elas vão se aproximando mais de mim e ficando mais a vontade para falar a respeito. Muitas garotas não curtem fazer sexo oral e tal porque sentem nojinho de dá uma chupada no pau do rapaz com quem estão transando, todavia as mesma adoram por demais serem chupadas pelos garotos. Meio estranho uma coisa dessas, né? Se você gosta de receber o mesmo gênero de sexo, por que também não fazer? Nojo? Para mim isso não é justificativa. No entanto, não estou falando para as meninas andarem chupando os primeiros caras que aparecerem na frente delas, né. Sexo oral, para mim, é uma questão de confiança. Você não vai ficar chupando qualquer pessoa por aí sem saber a procedência da pessoa e etc.. Sexo oral é como alimento. Você não come qualquer coisa, logo não vai andar chupando qualquer um. Mas o que me deixa mais grilado em relação ao sexo oral é no que diz respeito aos homens. Uma parcela muito pouca, mas existe ainda. Tem uns amigos meus que adoram que as meninas chupem seus paus, todavia não querem chupar suas lindas bocetas. E o por quê? Nojo! Acreditam? Pois é. Da mesma forma que existe mulheres que não fazem isso por nojo, existem homens também. O que eu acho uma tremenda babaquice. Têm outros que adoram gozar na boca das meninas, mas se as meninas – após o gozo – ir querer beijar ele, o cara dá até na cara da menina. A porra da gala que está na boca da menina não é dele? Se nem a menina tem nojo de colocar a porra na boca, ele vai ter de colocar o que vem dele? (depois desse comentário não me venham com as piadinhas escrotos na Universidade) Bem estranho essa situação, né?

Ainda sobre o sexo oral... gozar na boca da menina. Garotinhos, antes de fazerem isso avisem as mesmas, pois nem todas as meninas curtem porra na boca, saca? Acho uma escrotagem do caralho o rapaz está sendo chupado pela menina, que às vezes nem gosta mas faz isso para lhe agradar (tem esse tipo de menina também!), aí o cara vai e goza na boca da menina. Ela pode até não falar nada na hora, mas depois não vá mais reclamar se ela não quiser fazer mais sexo oral em você ou até mesmo não transar contigo. Respeito pelo seu aparceiro sempre é bom e aconselhável.

Um conselho para as meninas: cuidado com os dentes. A cabecinha é muito sensível, saca? Uma vez uma garotinha pensava que a cabeça do meu cacete era pirulito e resolveu morder, acredita? Quase dei na cara dela. Adivinha o que aconteceu? Broxou na mesma hora. Isso não é uma coisa legal de se fazer. Da mesma forma, acredito, que você não desejariam que mordêssemos seu clitóris, logo nós não desejamos que vocês mordam nossos cacetes. Para todo caso, pergunte antes o rapaz. Têm caras que desejam isso. Uma amiga minha me disse que um cara já pediu que ela mordesse. Eu não gosto, mas tem quem goste disso. Cada um com seus cada quais.

E os lugares estranhos que as meninas andam fazendo sexo? Têm muitos! Eu já ouvi de tudo e é por isso que nem me espanto mais com o que me falam. Um dia desses uma amiga minha me disse que os lugares mais estranho que ela fez sexo foi no carro, na mesa da cozinha e tal, mas ela completou a frase dizendo que com o que a galera anda fazendo hoje isso nem mais estranho é. E concordo com ela! Vou dizer uns aqui que já escutei: no hospital, dentro do guarda roupas, na pracinha da universidade e da cidade onde mora, dentro de carro, dentro de sala de aula, dentro de barraca que cabe somente uma pessoa, dentro de banheiros (em universidades e até mesmo os banheiros químicos), depósitos, rede, escritório, ônibus, cinema e outros que não me lembro mais. Para essa seção de lugares estranhos estou querendo fazer alguns contos para colocar no meu blog, logo aguardem minha coragem para fazer isso.

Fantasias sexuais... no questionário que aplicava e tudo mais tinha a pergunta de se você tinha, tem ou já fez sexo com dois homens. Muitas tinham e têm esse desejo, mas algumas tinham quando eram mais novas e depois desistiram. Como também há àquelas que já tinham realizado e gostaram, não queria mais, achara engraçado e outras que pretendem fazer mais vezes. Tem gosto para tudo minha gente! Mas devo também destacar algumas fantasias das mulheres além dessa de transar com dois homens: fazer sexo com mulher e um homem, fazer em cima dum carro, fazer no meio da rua, fazer com outras pessoas olhando (também existe as meninas que já fizeram isso!), transar na praia (sonho de quase todas!) e outras que não lembram. São muitas. (sugestão: até mesmo para que nós possamos tornar o falar sobre sexo mais natural, vocês poderiam, quem quiser, postar suas fantasias sexuais realizadas e as que desejam realizar nos comentários desse post.).

O que todo homem deseja saber: como fazer para a mulher gozar? (sabemos, porque não somos otários, que isso é uma coisa que dá um trabalho para fazer em muitas garotas). As perguntas aqui variaram muito, amigos. Algumas disseram que para gozar tinham que ser à base de sexo selvagem, outras que tinha que está bem envolvida com a pessoa e tal, outras com sexo oral, e outras com a posição de quatro. Aqui cabe uma observação sobre a posição de quatro: muitas meninas questionam, e muito blog’s também, que essa posição não é muito legal de se fazer e também que as mulheres não gostam. O que me deparei nas respostas que obtive é que as meninas gostam sim, e que essa parada da posição desvalorizar a mulher, muitas nem ligam. Eu acredito e escutei delas também que essa posição é prazerosa para ambos. Em algumas meninas doem e tal porque o cacete vai até no fundo, mas têm outras que para sentir prazer necessitam dela. Isso fica a escolha de vocês e a conversa dos casais. Voltando sobre o prazer/orgasmo/gozo das meninas, conclui que é uma coisa ainda muito obscura para nós homens. Isso você vai ter que descobrir, colega. E para descobrir é ousar e inovar. Se você fica na mesmice e perceber que a garota não sente prazer, inove na relação.

Eu estou cansado de digitar e esse texto já está bem grandinho. Vou finalizar ele! Minha ultima observação é em relação às palavras ditas na hora do sexo. Meu “poema infame” causou uma polemica por causa disso. Você curti palavrões na hora do sexo? Estaria EU mentindo se disser que não. Eu curto, todavia você tem que analisar com que tipo de menina você está transando. Você, homem, pode curtir chamar a garota de safada, gostosa, cachorra, safada e outras palavrinhas legais, no entanto a menina pode não gostar. Como também tem a menina que curte ser chamada assim, se sente desejada sendo chamada dessa forma, e o cara pode não gostar de chamá-la assim (esse caso é mais difícil de ser encontrado, mas existe!). Como também da mesma forma têm as meninas que adoram, eu disse ADORAM, levar tapas na bunda e tal, e nós não sabemos disse e nem elas se pronunciam. Em suma, o que conclui de tudo isso é que no que diz a relação sexual que você quer obter e fazer, você tem que conhecer a pessoa muito bem ou não. Não precisam ser melhores amigos e tal, mas sim você ser um rapaz esperto e perceber as coisas ao seu redor. Sexo é descoberta. Descubra do que seu parceiro ou parceira gosta, pois assim vocês farão uma foda maravilhosa. Quem sabe outro dia eu escrevo mais aqui sobre esses questionários, pois ainda se tem muita a coisa a falar. Então vão lá e fodam ou batam uma punheta ou siririca! Beijos, amigos.

13 de novembro de 2011

poema infame

Na madrugada infame que me consome
Eu sigo em frente, sempre em frente
Esses conselhos que não se dá a ninguém
Escutando um forró arretado que não sei de onde vem
Junto com o gosto da cerveja que bebi
O sono não há de chegar.
Só pensamentos
Pensamentos infames que nem essa madrugada aguenta
Pensando no sexo gostoso que podia está fazendo agora
Metendo forte em qualquer menina, a primeira puta que passasse em minha frente
Batendo com força na sua bunda, lhe chamando de vadia, gostosa, safada
E caso ela gostasse gozando em sua boca.
Ah, que gozada maravilhosa
O orgasmo que tive com ela que não sei quem é
Mas o dela sempre é melhor que o meu
Mulher demorar gozar, mas quando goza, goza bem gozado
Algumas tremem até as pernas de intenso prazer.

Que mente pervertida essa a minha
Mas é assim que eu a quero
Perverter o mundo
Sexualizar tudo
Pois eu você nós eles e tudo mundo gosta, goza, chora, treme, fode, fodeu.

Não vamos bancar a hipocrisia que esse maldito mundo quer nós passar
Pois isso não irá adiantar de nada
Pois quando você estiver entre quatros paredes vai quere ser dominado ou dominar
Então faça, força, fuce, goze, meta, sinta
Sinta essas palavras que estão queimando sua mente
Queimando, queimando, queimado
Queime tudo
Até esse poema quando chegar ao seu final.

Teresina, 13 de novembro de 2011.

9 de novembro de 2011

Um poeta na medida do impossivel


O poeta é a mãe das artes e das artimanhas em geral. O poeta que é louco, muito louco com asas de avião. Alô, idiotas! Esse poeta não se fez [somente] com versos. Foi poeta, letrista, jornalista, cineasta, ator, etc., e eu sei que a vida vale a pena. Para ele poetar era simples, mas não aqueles que declamam versinhos sorridentes. Poetar, pois, segundo a prova dos noves, é inventar o perigo e está sempre recriando as dificuldades, é destruir a linguagem e explodir junto com ela. Só assim será poeta como esse foi.

Esse poeta nasceu feito, assim como dois mais dois eu sei que a vida vale a pena. Nasceu quando o anjo, que não era o do Drummond, disse: eu brasileiro confesso, minha culpa, meu pecado! Veio de Teresina, onde as palmeiras sopram um vento forte que tem fome e muito medo da morte. Louvou aquilo que bem mereceu e o Cinema Novo deixando de lado. 

Quem é que ler Shakespeare aos 11 anos de idade? Torquato Neto! Homem que deu trabalho até na hora de nascer e depois foi criando e recriando. Nascido na sua Tristeresina, mas a partir dos 16 anos vira homem do mundo. Deixa a cidade natal a fim de estudar em Salvador. Conhece Caetano, Gilberto Gil, Glauber Rocha, e quiçá daí nasce o Tropicalismo.

O Rio de Janeiro continua lindo... depois de Salvador, a cidade maravilhosa torna-se seu destino visando o Itamarati, mas o que queria mesmo era ser jornalista. Entra no curso de jornalismo na Universidade do Brasil (UFRJ) e pára na Geléia Geral do Última Hora.

Torquato Pereira de Araújo Neto! Mostra suas habilidade como poeta desde os nove anos de idade e a partir daí não parou. Aliás, parou no dia que completou seus 28 anos de idade se matando no banheiro de sua casa com gás (segundo ele a melhor forma de se cometer suicídio).

A partir desse pequeno resumo do que foi a vida de Torquato Neto percebemos que esse poeta viveu até as ultimas conseqüências. O Anjo Torto do tropicalismo compartilha da mesma noção de poesia de Roberto Piva, que ser poeta é experimentar sua poesia junto à vida. Confundir vida com arte é válido. E foi por isso que Os últimos dias de paupéria foi e é lindo como uma bíblia pelas gerações que conheceram Torquato Neto somente pelo seu mito de poeta marginal e romântico.

Hoje, 9 de novembro de 2011, caso estivesse vivo, Torquato Neto estaria completando 67 anos bem vividos. Mas por escolha própria, decidiu sob o signo do escorpião, encravar seu ferrão na própria ferida. Não está mais entre nós, em corpo, no entanto deixou uma grande fortuna de como desafinar o coro dos contentes.

Se toda palavra guarda uma cilada, VIR VER OU VIR, Torquato Neto!


Vinícius Alves Cardoso é graduando em História pela UFPI.

Artigo publicado na coluna Opinião do jornal O Dia e jornal Meio Norte, Teresina - PI, de 9 de Novembro de 2011.

6 de novembro de 2011

escritos

Estava eu mais uma vez bebendo mais meus amigos. Aquele velho ritual chato de uma pessoa aniversariar e nós ficarmos bebendo até passar mal no outro dia. Já estou até acostumando com essas coisas. No outro dia sempre nos arrependemos, mas deveríamos pensar assim na hora que estamos bebendo. Deixemos isso para lá.

A bebida, na maioria das vezes, faz você comentar algo com alguma pessoa. Você gostaria de ter comentado aquilo quando estava bom, todavia não tem a coragem necessária. Eu não tenho essas frescuras. O que é para falar, devemos falar na cara. Ficar enrolando os outros é chato. É uma coisa que você não deseja a você, logo não faça aos outros.

Sempre surgem assuntos como educação, religião, sexo, etc. e tudo mais. No dia de ontem não foi diferente. Começou com religião. Não sei por que, mas as pessoas sempre lembram que eu sou ateu quando nós estamos bebendo e sempre vem fazer um comentário tosco e sem fundamentação sobre isso. Na maioria das vezes, para não falar sempre, eu deixo para lá. Não levo a frente às discussões porque não me interessam e a minha finalidade naquele lugar é bebe e não ficar discutindo religião. As pessoas não fazem isso quando estão sóbrias e vão inventar de fazer isso quando estão bêbadas, é? Faça-me um favor! Vão tomar no cu!

Ontem um amigo me perguntou quem era Deus?! E eu para cortar logo ele falei que era o Google (e o Google é um Deus mesmo!). Aí começaram as viadagens. O cara me perguntou quem criou o Google, eu disse que tinha sido um cara. Ele me perguntou quem tinha criado o cara, eu disse que tinha sido a mãe do cara. Ele me perguntou quem tinha criado a mãe do cara, eu disse a avó do cara e assim por diante. Até quando ele se cansou e disse que o que me esperava era o inferno. E eu: massa, bicho! Somos nós! 

Eu não posso ter autonomia de não acreditar num Deus cristão não? Só existe o Deus cristão, é? Puta que pariu, cara. Uma pessoa que pensa dessa forma tem uma mente muito reduzida. Fico pasmo com o pensamento dessa pessoa. Não sabe viver com a diversidade. Eu posso muito bem acreditar (e acredito!) que o Google é um Deus! Milana é uma Deusa! Maria dos Humildes é uma Deusa! E têm mais Deuses por aí. Eu sou politeísta. E daí? Posso não? Cadê a liberdade de credo me concedida pela Constituição Federal do Brasil? É foda isso, cara. As pessoas me conhecem há séculos e tal, mas mesmo assim não aceitam o fato do Vinicius ser ateu. Eu tenho a obrigação de aceitar a religião deles. Mas eles não podem aceitar a minha “religião”. Será que tem alguma coisa errado aí? Eu acho que tem sim! Essa parada de ficar discutindo religião é tenso, bicho. Minhas tias colocam a culpa no curso de História. Antes fosse. No curso de História da UFPI tem mais cristão do que sei lá o quê. Foi uma visão que quebrei ao entrar na Universidade. Pensava que quando entrasse lá e tal teria várias pessoas que seriam ateus e maluconas. Ledo engano meu. Mas é assim mesmo. A vida é feita de construções e desconstruções historicamente construídas. E o que é mais massa, cara: as pessoas que estão na Universidade, que deveria ser o antro da diversidade, pensam que nem os caras que bebem comigo. Aí é foda de se conviver com numa sociedade dessa. 

Minha mãe fica reclamando que eu fique mofando dentro do meu quarto, mas o que diabos eu vou fazer lá fora?! Fazer nada, que nem estou fazendo no meu quarto. É por isso que sou mais construir meu mundo imaginário. É mais legal. É melhor do que o cara ficar vivendo essa realidade velha chata. Aí vêm os éguas que se acham os profetas do apocalipse, para falar de Raul Seixas, dizer que essa parada de Sociedade Alternativa é uma balela. Dizem que temos é que viver a nossa realidade e transformar ela. Eu tentei e tento transformar, mas não do jeito que eles querem. Isto é, não adianta nada para eles, vou ser criticado da mesma maneira. Então, foda-se! Só sei que nada sei que estou aqui no meu quarto escrevendo esse texto no meu notebook dentro duma rede com o ventilador ligado e minha irmã na sala escutando um som ruim do caralho! Mas fazer o quê? É a minha realidade. Meu quarto É A MINHA REALIDADE. Quer viver ela? Vem aqui e escreve algo na parede também.