Páginas

9 de novembro de 2011

Um poeta na medida do impossivel


O poeta é a mãe das artes e das artimanhas em geral. O poeta que é louco, muito louco com asas de avião. Alô, idiotas! Esse poeta não se fez [somente] com versos. Foi poeta, letrista, jornalista, cineasta, ator, etc., e eu sei que a vida vale a pena. Para ele poetar era simples, mas não aqueles que declamam versinhos sorridentes. Poetar, pois, segundo a prova dos noves, é inventar o perigo e está sempre recriando as dificuldades, é destruir a linguagem e explodir junto com ela. Só assim será poeta como esse foi.

Esse poeta nasceu feito, assim como dois mais dois eu sei que a vida vale a pena. Nasceu quando o anjo, que não era o do Drummond, disse: eu brasileiro confesso, minha culpa, meu pecado! Veio de Teresina, onde as palmeiras sopram um vento forte que tem fome e muito medo da morte. Louvou aquilo que bem mereceu e o Cinema Novo deixando de lado. 

Quem é que ler Shakespeare aos 11 anos de idade? Torquato Neto! Homem que deu trabalho até na hora de nascer e depois foi criando e recriando. Nascido na sua Tristeresina, mas a partir dos 16 anos vira homem do mundo. Deixa a cidade natal a fim de estudar em Salvador. Conhece Caetano, Gilberto Gil, Glauber Rocha, e quiçá daí nasce o Tropicalismo.

O Rio de Janeiro continua lindo... depois de Salvador, a cidade maravilhosa torna-se seu destino visando o Itamarati, mas o que queria mesmo era ser jornalista. Entra no curso de jornalismo na Universidade do Brasil (UFRJ) e pára na Geléia Geral do Última Hora.

Torquato Pereira de Araújo Neto! Mostra suas habilidade como poeta desde os nove anos de idade e a partir daí não parou. Aliás, parou no dia que completou seus 28 anos de idade se matando no banheiro de sua casa com gás (segundo ele a melhor forma de se cometer suicídio).

A partir desse pequeno resumo do que foi a vida de Torquato Neto percebemos que esse poeta viveu até as ultimas conseqüências. O Anjo Torto do tropicalismo compartilha da mesma noção de poesia de Roberto Piva, que ser poeta é experimentar sua poesia junto à vida. Confundir vida com arte é válido. E foi por isso que Os últimos dias de paupéria foi e é lindo como uma bíblia pelas gerações que conheceram Torquato Neto somente pelo seu mito de poeta marginal e romântico.

Hoje, 9 de novembro de 2011, caso estivesse vivo, Torquato Neto estaria completando 67 anos bem vividos. Mas por escolha própria, decidiu sob o signo do escorpião, encravar seu ferrão na própria ferida. Não está mais entre nós, em corpo, no entanto deixou uma grande fortuna de como desafinar o coro dos contentes.

Se toda palavra guarda uma cilada, VIR VER OU VIR, Torquato Neto!


Vinícius Alves Cardoso é graduando em História pela UFPI.

Artigo publicado na coluna Opinião do jornal O Dia e jornal Meio Norte, Teresina - PI, de 9 de Novembro de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário