Páginas

27 de dezembro de 2011

medo

o medo
que assola essa minha mente
toma conta de dois corações
que vem provocado por um atraso
que quiçá mudará bruscamente as nossas vidas.

o medo
medo dessa nova forma de viver
do que pode acontecer
sofrendo por pré-meditação
do que não vai e nem se realizar.

o medo
que pode acabar com planos de toda uma vida
todavia pode trazer uma felicidade
e uma nova responsabilidade que
somos nós, e aqui estamos por vós esperando.

tere.sina.26.12.2011.

19 de dezembro de 2011

poema noturno

maldita dor de cabeça
que me consome nessas noites de lua cheia
que me obriga a tomar esses remédios vagabundos
que se vende em qualquer quitanda de esquina
dor de cabeça que tem início na palavra
palavra que você fala errado dizendo que sabe escrever
mas que sempre tem que verificar no Word ou no Google
deuses! deuses! deuses! deuses!
eles te dominam!
você não sabe mais nada!
toda palavra vem errada, diferente,
escrita, comentada, criada, recitada.
toda palavra guarda uma cilada
o que eu quero dizer não disse
que você entendeu
nas construções históricas babilônicas do mundo
ocidente e oriente que te obriga a isso:
a ler! ler! ler! ler!
porcarias que tu ver na TV e acredita
até eu acredito no meu dia-a-dia,
na minha realidade ilusória débil mental
louco! louco! louco!
do parque industrial de Teresina
na capital do meio norte da puta que pariu!
atrasada como esse poema saindo da minha mente.


Tere.sina. 17.11.2011.

9 de dezembro de 2011

aquele dia lá!

é hoje! que dia é hoje? é o dia de hoje e mais aquelas horas que você quer que passe. estou aqui no meu colchão de ar da mesma maneira que estava nesse mesmo dia a 21 anos atrás. acredito que naquele dia estava chorando, mas não estava sentindo a mesma coisa que estou sentindo agora. nem eu mesmo sei o que estou sentindo. mas quiçá um dia irei descobrir. peguei uma palmada no dia que nasci. hoje em dia só as da vida mesmo.

tristeza. estava conversando com uma menina de que isso é legal, sabe? acredito que seja muito melhor ser triste do que ser aquelas pessoas que andam rindo à toa para o vento. acho isso deprimente e ridículo. mas foi isso que elas escolheram para elas, fazer o quê? é uma questão de gosto, moço. o nosso grande anjo torto, que nos mês passado – nesse mesmo dia – estaria completando seus 68 anos, dizia que os versos não devem ser aqueles sem graça que muita gente quer ficar declamando por aí. tenho essa mesma percepção dele,entretanto não somente referente à poesia, mas a vida também. dizer para todo mundo que você está bem, feliz, ou sei lá o quê, é mostrar sua fraqueza de não assumir o que verdadeiramente você é. pessoas nem sempre estão feliz.

já pensei em muitos aniversários meus me matar e essas coisas que torquato neto fez. não farei isso. se fizer isso as pessoas vão colocar a culpa no anjo, e eu não desejaria isso. ele já fez isso, né, logo eu tenho que buscar uma inovação. pensando, pensando, estou pensando, mas os vermes estão consumindo a minha massa cefálica. eles estão gostando pelo jeito, pois estão aqui há um bom tempo. deixa os caras aí; não estão fazendo nenhum mal.

2011 está terminando. um ano qualquer como outro que não existiu. esse ano não me trouxe praticamente nada de bom e novo. o que merece destaque é só um nome: Milana! fora essa menina, que deu razão a alguma coisa na minha vida, não me fez diferença viver ele. as mesmas merdas de sempre, as mesmas brigas de sempre e escutando as mesmas coisas de sempre. mudar. a mudança é necessária. mudemos, amigos. não uni-vos.

é esse dia. aquele dia normal que nem os demais existentes num mesmo ano. só que esse dia do ano dizem que sou historicamente construído. dizem que nasci hoje. mas não nasci hoje. nasci num dia que não me lembro. nasci na hora que meu pai estava enfiando na minha mãe sem nenhuma intenção de me fazer. mas ele falhou. eu sou uma falha. eu ando falhando, eu vou falhar o sistema. vamos falir.

atenção! atenção! atenção! acho que eu necessito de atenção. mesmo eu não querendo, eu faço parte duma coisa medíocre chamada sociedade. necessito dessas coisa. necessito de atenção. acho que sou um mal amado que nem o Moloch de Ginsberg, entende? mas é assim mesmo. faço parte da hipocrisia da sociedade capitalista que se fosse socialista seria a mesma coisa. mas é isso e mais um pouco. sabe aquilo? é isso mesmo! então, logo, em suma, portanto, pronto! chega!