Páginas

28 de agosto de 2014

Exercícios de imaginação

Estávamos eu e ela sentados no sofá. Ambos em sofás diferentes. Ela se levantou para ir pegar um copo d’água, pois dizia está com a garganta seca. Além da garganta seca, estava vestida em um baby doll de cor branca, com algumas rendas espalhadas pela peça, que enaltecia as curvas de seu corpo e lhe proporcionava um ar mais sexy que o normal. Foi à cozinha atrás da água e voltou com um copo cheio do liquido contendo pedras de gelo. Tomou a água, colocou o copo com gelo no chão e se deitou no sofá. Foi nesse momento que me veio à cabeça fazer algo ela e lhe propus uma surpresa. Aceitou de prontidão, mas acrescentei que só poderia acontecer se ela estivesse de olhos vendados. Houve a permissão, disse que não havia problema. Por sorte havia um pedaço de pano próximo que consistia numa perfeita venda. Pus sobre seus olhos e pedi que não evitasse nada do que seria feito ali, que se entregasse ao momento como nunca se entrou a algo. Ela consentiu e ao mesmo tempo apanhei o copo do chão e o pus em minha mão. Tirei uma pedra de gelo do copo e comecei aquilo que acreditava que iria lhe provocar sensações extremas. Coloquei o gelo em sua boca e pedi que o chupasse, no entanto os movimentos ficavam por minha conta, os tornando sensuais. Eu a provocava tirando o gelo de sua boca no momento que ela parecia se entregar com delícia a nossa brincadeira. Comecei a massagear seus lábios com a pedra de gelo, passando o mesmo como se fosse um batom. Passava e tirava, para assim provar de seus lábios gelados. 

Fui descendo pelo seu corpo. Passei para o pescoço, fazendo com que o gelo percorresse de sua orelha até o final da garganta. Alternando os movimentos eu dava chupadas por onde o gelo percorria e lhe dava leves mordidas. Percebia que ao mesmo tempo em que fazia isso ela mordias seus lábios com desejo e sedução. A partir daí comecei os movimentos mais ousados, pois desci seu baby doll para que deixasse seus seios à mostra. Eram fartos, bonitos, com um formato estupendo, de deixar qualquer homem com tesão imediato. Comecei a passar o gelo pele seu seio, fazendo com que ganhasse algumas contrações dela. Ela só não esperava que aquilo fosse o de menos, pois quando passei para o bico do seu seio lhe arranquei um leve gemido. Alternando o movimento com gelo, lhe dava leves mordidas por onde o gelo passava e chupões no bico dos seus seios. Ao tempo que ia descendo o gelo pelo seu corpo também ia descendo sua vestimenta ao ponto que a deixe vestida somente com sua calcinha róseo. Desci o gelo pela sua barriga, sendo acompanhado pela minha boca, chupando os resquícios de água que ia deixando pelo caminho. Foi quando dei uma parada, que para mim foi mais do que mortal. Parei bem no cós da sua calcinha, fazendo com que o gelo percorresse de um lado a outro, e com isso arrancando contrações dela novamente. Percebi que a estava deixando louca, e resolvi deixá-la ainda mais. Retirei sua calcinha e abri bem suas pernas. Deixei sua linda buceta à mostra, o que fez com que ficasse louco e com vontade de cair de boca. No entanto tive que me controlar para que pudesse a deixar ainda mais molhada, para além da água do gelo, que estava. Foi então que decidi passar o gelo por suas coxas até a altura do joelho. Percebi que o gelo lhe causava sensações extremas, pois ela não parava quieta no sofá, mas quando comecei a também morder suas coxas para além dos movimentos, lhe arrancava gemidos. Foi então quando não me controlei, abandonando o gelo, e passando a lhe fazer um delicioso sexo oral. Passei a chupar sua buceta com movimentos leves, a fim de provocá-la e deixá-la ainda mais sedenta. Chupava vagarosamente sua buceta, que a cada comento ficava ainda mais molhada. Alternando as chupadas comecei a enfiar meu dedo indicador, percebendo o quanto a tinha deixado louca e o quanto estava molhada. Não aguentei e lhe fiz outra proposta...